replica watches rolex because of its brilliant profession to emphasise all of the foremost equity the symbol.

women who have purchased best sex doll?

diamond art kits now in sale with free shipping worldwide, includes everything you need to get started.

Top Replica Rolex Watches Store, Luxury Replica Watches For Sale--www.iapac.to

APRENDA COM A CEDAE

Elevatória do Lameirão

A Elevatória do Lameirão configura-se até os dias de hoje como uma portentosa obra de engenharia com singularidades que fazem dela a maior elevatória subterrânea de água tratada do mundo. Localizada no bairro de Santíssimo, Município do Rio de Janeiro, teve suas estruturas hidráulicas todas construídas a cerca de 64 metros abaixo do níveldo terreno.

Uma galeria de acesso, com 180 m de extensão, liga o prédio ao elevador social para ingresso de pessoas ao salão de bombas.

Uma galeria de serviço, com 130 m de extensão é utilizada para acesso ao elevador de carga, por onde entram e saem os equipamentos de grande porte, como motores e bombas.

Cerca de 64 metros abaixo do nível do terreno galerias escavadas em rocha abrigam o salão de bombas e motores, galeria de válvulas, salão de bombas de esgotamento e galerias de acesso. Por questões de segurança as galerias subterrâneas são dotadas de sistema de alarme, bombas de esgotamento e portas estanques do tipo submarino.

A construção da elevatória exigiu a escavação e retirada de 70.000 m³ de rocha e consumiu cerca de 35.000 m³ de concreto.

Elevatória do Lameirão.

Elevatória do Lameirão Como Parte
do Sistema de Produção

Toda água bombeada na Elevatória do Lameirão tem como procedência a Estação de Tratamento de Água do Guandu, maior estação de tratamento de água do mundo, localizada no bairro Prados Verdes, Nova Iguaçu.

A água é captada no rio Guandu, passa por gradeamento e desarenadores e depois é bombeada para a ETA-Guandu, onde sofre um tratamento do tipo convencional.

As fases de tratamento são: coagulação química, floculação, decantação, filtração, desinfecção por cloro, correção de pH e por último a aplicação de flúor para auxílio no combate a cárie dentária.

A ETA-Guandu é responsável pelo tratamento de cerca de 43.000 litros/segundo.

Os 3,5 bilhões de litros diários produzidos na ETA-Guandu, fluem para dois subsistemas: O subsistema Marapicu e o subsistema Lameirão. O primeiro é composto por três elevatórias de água tratada, reservatório de carga e adutoras de grandes diâmetros que escoam esta água para diversas partes da cidade. O subsistema Lameirão é composto por túnel de adução, elevatória de alto recalque e túnel-canal. Cerca de 50% da água tratada no Guandu flui para a Elevatória do Lameirão. A água que sai da ETA chega à Elevatória do Lameirão através de um grande túnel pressurizado com seção de 14 m² e extensão de 11 km.

Elevatória do Lameirão e o Sistema de Adução

A água bombeada na Elevatória do Lameirão flui através de dois shafts (túneis verticais) escavados em rocha, com 2,75 m de diâmetro e altura de 117 m. A partir deste ponto a água escoa em regime de conduto livre (por gravidade).

Imediatamente após a chegada da água, estes dois túneis se unem em um “Y” formando apenas um túnel-canal com seção equivalente a 22 m². Este túnel faz um percurso de 32 km, se iniciando em Santíssimo e finalizando no reservatório dos Macacos, na Gávea. A construção deste túnel-canal exigiu um estudo elaborado tendo como objetivo o aproveitamento da topografia e maciços rochosos existentes para conduzir a água por gravidade em uma extensão considerável.

No percurso do túnel, alguns vales obrigaram a construção de 3 pontes-canais ligando um maciço a outro.

Na baixada de Jacarepaguá, devido a grande extensão entre os morros, não foi possível a construção de ponte canal, optando-se por um sifão invertido com uma extensão de 2.800 m, passando sob a Av. Cândido Benício. Durante todo o percurso do túnel-canal, dispositivos de transição permitem a saída de adutoras para abastecimento de diversas regiões ao longo de seu caminho.

A Elevatória do Lameirão é responsável pelo abastecimento de Bangu, Anchieta, Nilópolis, Acari, zona da Leopoldina, Jacarepaguá, Barra da Tijuca, Recreio dos Bandeirantes, Tijuca, Centro e zona sul da Cidade.

Características Técnicas

Energia Elétrica

• Subestação abaixadora em área de 5.700 m²
• Alimentação de entrada da concessionária com duas linhas de 138.000 volts
• Capacidade instalada de 102.000 kVA
• Dois transformadores de 30.00 kVA e um de 42.000 kVA
• Rebaixamento de 138 kVA para 13,8 kVA
• Transformadores auxiliares para alimentação de média e baixa tensão

Sistema de Bombeamento

• Capacidade de bombeamento total = 27.600 l/s ou 2,4 bilhões de litros por dia
• 5 bombas de 4.600 litros por segundo
• 2 bombas de 2.300 litros por segundo
• 5 motores síncronos de 9.000 HP - 13,8 kV – 400 rpm
• 2 motores síncronos de 4.500 HP - 13.8 kV – 600 rpm
• Altura manométrica = 117 m.c.a.
• Recalque através de 2 shafts escavados em rocha de 2,75 m de diâmetro e 117m de altura

Sala de Comando e Controle

No centro de comando e controle ficam abrigados todos os painéis de comando da Elevatória e da subestação, mesa de comando e controle além dos painéis de medidores. Estes comandos ficam distantes dos motores principais cerca de 450 metros.

Dispositivos Hidráulicos

• 2 válvulas de sucção do tipo borboleta com diâmetro de 1,50 m (por grupo). Uma com acionamento elétrico e outra com acionamento hidro-pneumático.
• Duas rotoválvulas de recalque com 1,20 m de diâmetro (por grupo). Uma com acionamento elétrico e outra com acionamento hidro-pneumático.
• Sistema de esgotamento automático composto por 2 grupos moto-bombas de 75 HP para escoamento água operacional e 2 grupos moto-bombas de 350 HP para escoamento de emergência.
• Chaminé de equilíbrio - Responsável por amortecer possíveis golpes de aríete no túnel de sucção, é constituída por um túnel, escavado em rocha, com diâmetro de 15 m e altura útil de 47 m.

Conteúdo Relacionado

voltar para INFRAESTRUTURA
 
Search